JESUS, O KABALISTA

Páscoa e Pêssach acontecem em abril nesse ano. Este é uma boa oportunidade para penetrar no coração da Torá e da verdade sobre o Jesus histórico e seu papel neste mundo.

A força de Jesus e sua dominância sobre grande parte da humanidade é derivada  de um verso bíblico do profeta Zacarias onde se lê que as nações gentias irão se apoiar nas vestes de um homem da Judéia e não o deixarão porque “Deus está com ele”.

O kabalista Rav Moses David Valle explica que este verso se refere a Jesus que era o Messias, filho de José, o qual veio a esse mundo para trazer os verdadeiros segredos da Torá ,ou seja o Zohar, para todas as nações gentias porque elas estavam sofrendo profundamente.

Obviamente não era permitido que a Kabbalah fosse divulgada às massas devido ao fato que as massas jamais poderiam entender a teoria da Relatividade de Einstein, física quântica ou mesmo a ideia de que a Terra era redonda e que havia 7 continentes nela. Assim sendo, Jesus compartilhou os segredos do Zohar do mesmo modo que o faz a Torá, ou seja, através de histórias e parábolas. Este é o motivo pelo qual Jesus disse que somente  os seus discípulos mais chegados ele iria falar sobre os mistérios, mas às massas ele iria falar em parábolas.

Aí está. Jesus ensina por parábolas. Isto inclui os conceitos da trindade, do Filho de Deus, de Gólgota e da Cruz.

O NOME DE DEUS

Imagine se o nome de Jesus fosse Estevão. Imagine imaginar que Estevão fosse Deus. Imagine dizer coisas como: ”Estevão me salvará”; ”Creia em Estevão, ele é a encarnação de Deus”; ”Somente Estevão é o filho de Deus”; ”A única maneira de chegar até Deus é através de Estevão”; ”Estevão é meu senhor e salvador”.

Se isso acontecesse hoje em dia, seria visto como idolatria e paganismo. Mas porque seu nome é Jesus e porque fomos condicionados a associar seu nome (Joshua é, a propósito, um nome mais apropriado) com o divino por 20 séculos, somos incapazes de olhar o Jesus-Joshua histórico com objetividade. Mas se você simplesmente trocar seu nome por Estevão ou Guilherme, você começará a perceber que há muito mais na história de Jesus do que o apóstolo Paulo mostrou ao mundo.

Essa história é Kabbalah. É o Zohar.

Como todos os kabalistas da história, até Rav Berg e Karen Berg, todos os kabalistas foram caluniados, difamados e assassinados para manter as verdades do Zohar longe do alcance do povo. Isto é o que aconteceu no Monte Sinai com a construção do Bezerro de Ouro e a rebelião contra Moisés.

Jesus era um kabalista. Ele era o Messias mandado para trazer a salvação para as nações pagãs.

Eles nunca vão esquecê-lo — eles não devem fazê-lo — de acordo com o kabalista Rav David Valle e o profeta Zacarias. A força que o mundo não judeu sente em Jesus é o Zohar. Esta é a mesma razão pela qual os israelitas, particularmente o povo sefaradita através da história, nunca esqueceu Rabbi Shimon Bar Yochai. Eles reverenciam Rabbi Shimon, o autor do Zohar, do mesmo modo que os gentias reverenciam a Jesus. O povo sefaradita recorre à Rabbi Shimon por milagres do mesmo modo que os gentios recorrem à Jesus. E assim é como deve ser.

Os segredos do Zohar foram ocultados dentro do Cristianismo porque os kabalistas sabiam que a Torá, o Templo e todos os ensinamentos secretos iriam ser destruídos pelos anti-kabalistas 2.000 atrás. E isso chegou perto de acontecer.

O templo foi destruído e Jerusalém se tornou um mar de sangue. Ocultar os ensinamentos do Zohar no Cristianismo em parábolas foi a forma que Deus cumpriu seu decreto de que os israelitas deveriam ser exilados dentre as nações idólatras devido ao pecado do Bezerro de Ouro e devido ao seu ego que levou à destruição do Templo de  Jerusalém

Funciona assim:

Ao tomar o Zohar LITERALMENTE, em forma de parábolas, o Cristianismo parece idólatra e pagão com a ideia da trindade e do Filho de Deus que morreu na cruz. Mas quando tomamos isto pelas lentes do Zohar, é a Torá. Como pode ser?

Gólgota e a Cruz são as Dez Sefirot, as dez mais alta dimensões que precisamos acessar para  fazer renascer tudo que morreu em nossas vidas, seja prosperidade, felicidade, um casamento ou nosso próprio estado emocional. Precisamos alcançar Gólgota através da morte do ego. Gólgota é o reino das Sefirot as mais altas dimensões chamadas de “o crânio”, que são também o lugar conhecido como Atika Kadishá. Essa é a fonte espiritual e o reino de onde TODAS as preces são atendidas. É assim que a Luz que nós perdemos é recuperada. Mas você não pode ensinar a um povo antigo sobre as multi-dimensões, fluxo de energia ou até outros conceitos avançados de forma literal. É difícil entender tudo isso até no  nosso segundo grau nas aulas de física.

Referindo-se à ideia que Deus tem um filho, sabemos que o Zohar é claro quanto ao assunto: Qualquer um que domine a Kabbalah é chamado de Filho do Sagrado. O Filho de Deus.

E a trindade, a Tríade Superior da Dez Sefirot, é essencialmente conhecida como Pai (Abba) de acordo com o Zohar. As seis dimensões do meio são chamadas de “O FILHO” (Zeir Anpin) e a realidade física, Malchut, é chamada de Espírito Santo.

Aí está. Bem aí no Zohar. Pai, Filho e Espírito Santo referindo-se às três dimensões da Árvore da Vida, as Dez Sefirot, o modelo da realidade.

Os kabalistas nos explicam que todo este modo usado pelo Cristianismo de usar parábolas foi dado aos israelitas que se mesclaram ao Cristianismo como um cordão umbilical que os ligou à Torá durante os 2 mil anos de seu exílio. Isto serviu para que eles não se perdessem ou se desconectassem da  verdade. Isso também beneficiou as nações pagãs dando-lhes uma conexão com a verdade, com a Torá, para que assim quando o Messias vier REALMENTE e quando a Luz do Zohar for finalmente revelada, todas as nações possam reconhecer os ensinamentos de Jesus e venham correndo de volta à Luz do Zohar, a essência e fonte absoluta dos ensinamentos de Jesus.

Releia a última sentença várias vezes.

Os kabalistas também explicam que mesmo os elementos pagãos do Cristianismo serviram a um propósito positivo. Ajudaram a atrair os pagãos através da história e deu-lhes um cordão umbilical com a verdade.

Por exemplo, o Zohar diz que a força da morte é o que mata nossa felicidade. A verdadeira força da morte é o que mata um casamento. A força da morte é o que mata a prosperidade financeira. A força da morte é a única causa de caos e dor. A força da morte entra na sua vida pelo ego. Cada vez que você reage com ego, uma gota da força da morte entra na sua vida. Quando são várias gotas, a vida se torna um pouco caótica. Quanto mais aumenta, maior o caos. Quando a força da morte alcança uma massa crítica seja física, emocional ou qualquer outra,  morte acontece.

A única maneira de limpar a força da morte é matando a influência do ego. Ou a influência do ego morre ou nós morremos. Quando nós finalmente matamos o controle do ego sobre nós, seja escalando as Sefirot ou ascendendo aos reinos espirituais superiores pela nossa transformação gradativa, chegamos ao topo da Árvore da Vida (as 10 Sefirot), Gólgota e então reavemos toda a Luz que perdemos em nosso casamento, negócios ou estado interno de ser.

Quando removemos uma influência de ego suficiente de toda a humanidade, então a ressurreição irá incluir a imortalidade da existência física e biológica do corpo. Esse segredo estava escondido na ideia pagã de um Deus Que morre.

Deus não morre. Uma Força infinita não pode caber dentro de um corpo finito. Se Deus tomou a forma humana e morreu, Sua morte  não seria maior do que a morte de qualquer outro homem. Por quê? Porque se Deus é Deus, Ele não pode morrer. Se ele toma uma forma mortal e morre por nosso pecados Sua morte não é maior ou pior que a morte de outro homem qualquer. Para morrer é preciso ser mortal. Se você é divino, você é imortal.

Qual a moral da história? Toda morte sobre a Terra deveria ser tão importante quanto a morte de Jesus; mas como não é, esse é o motivo pelo qual não damos valor a morte de uma anônimo ou estranho.

Quando passarmos a valorizar a morte de uma pessoa comum tanto quanto valorizamos a morte de Jesus, toda matança acabará sobre a  face da Terra. ESTE é o segredo da história.

Do mesmo modo, a ideia de que os kabalistas morreram para limpar os pecados de suas gerações é também encontrada no Zohar e é um princípio fundamental da Kabbalah. Os kabalistas justos sofreram dores para limpar os julgamentos de seus pares. Suas mortes ajudaram a expirar os pecados de uma geração. É daí que o Cristianismo adquiriu a ideia.

Jesus foi morto. Ele foi pendurado numa árvore por tentar compartilhar a Kabbalah e expor a corrupção do Segundo Templo. O Novo Testamento nos diz em cinco diferentes passagens que Jesus foi pendurado numa árvore.

Gólgota e a cruz são uma parábola para as Dez Sefirot. Ponto final.

Recentemente perguntei a um membro superior da Igreja o porque do Novo Testamento dizer que Jesus foi pendurado numa árvore. Ele me disse que era um código e uma parábola. Perguntei então porque ele aceita todo o restante do Novo Testamento literalmente e não como uma parábola com conceitos tais quais Gólgota e Filho de Deus? Ele não tinha a resposta. Ou a Bíblia que alcançou as massas é uma parábola que deve ser decodificada como Jesus e Rabbi Shimon dizem, ou ela é literal. Não pode ser os dois ao mesmo tempo.

Jesus morrendo na cruz é uma parábola sobre o ego humano morrendo na Árvore da Vida — as 10 Sefirot — ao invés do ego florescendo na Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal.

O grande kabalista Rabbi Akiva também foi morto por ensinar a Kabbalah. E também o foram mortos outros kabalistas desta era incluindo Rabbi Ishmael, Rabbi Yehuda ben Baba e Rabbi Gamalial. A morte de kabalistas foi um grande assassinato na história em termos de significância e impacto. Mas o mundo só se familiarizou com o  assassinato de um — de Jesus.

ACESSANDO O INFINITO

Embora um Divino Ser infinito não possa nunca caber em um corpo finito, os raios de Luz brilhando do Ser Infinito podem fluir através de um corpo para sempre.

Quando o ego se vai, a Luz do Criador flui através de cada pessoa para sempre, dando-nos vida, ingenuidade, tecnologia, paz de espírito e todas as peças de um quebra-cabeças para construir um mundo paradisíaco que somente aumentará em felicidade e realização para sempre.

Essa Luz está esperando por nós em Gólgota — o reino das 10 Sefirot que o Zohar chama O PAI, Para os cristãos alcançarem o PAI precisam dos ensinamentos do Zohar de Jesus e precisam alcançar o reino das Sefirot chamado “O FILHO” também conhecido como Zeir Anpin, as seis dimensões acima da nossa realidade física. Essa é a realidade dos 99% que aprendemos na Kabbalah.

A LÂMPADA SAGRADA

Vamos dar uma olhada na história novamente. Trocando o nome de Jesus por Jeferson ou Estevão, expomos a verdade que Jesus era o Messias mas não era Deus realmente e podemos agora entender que era a Luz Divina fluindo através de Jesus, que acendeu as almas dos pagãos através da história. Era essa Luz que deu às nações pagãs um lar até o tempo em que os israelitas se transformassem e finalmente pudessem trazer o Zohar para todas as nações do mundo.

Devido a isso foi que os israelitas foram chamados para se tornarem a LUZ SOBRE TODAS AS NAÇÔES! Os sefaradita reverenciam o poder de Rabbi Shimon Bar Yochai e do Zohar pela mesma razão de que a DIVINA LUZ flui através deles.

Uma lâmpada é simplesmente um recipiente que possibilita que a corrente elétrica flua através dela para produzir luz num ambiente escuro. Não damos crédito à lâmpada a fonte desse poder ou que ela seja idêntica à eletricidade. A Lâmpada não tem poder em si mesma e a corrente elétrica não faz parte de sua substância. É a corrente elétrica que flui através dela que é a força que manifesta a luz.

Mas precisamos do recipiente, da lâmpada, para manifestar tal poder no mundo físico. Sem a lâmpada, nunca veremos a luz que a eletricidade pode manifestar.

Sem o recipiente de um refrigerador, nunca teremos a manifestação do poder da corrente elétrica para gerar frio.

Sem o recipiente de um aquecedor, nunca teremos a manifestação do poder da corrente elétrica gerando calor numa noite fria de inverno.

O Zohar, na verdade, chama Rabbi Shimon de “A LÂMPADA SAGRADA”.

E isso é o mesmo que Jesus representa para bilhões de pessoas

Uma Lâmpada Sagrada.

Ele é o condutor que canaliza a Luz Divina Do Zohar -—A corrente “elétrica” de Deus — para todas as nações do mundo. Ele é a conexão com o Pai, com o Zohar.

É tempo de deixar as parábolas de lado e revelar a essência da verdade, que é o modo como iremos trazer nossa Redenção e acabar com o sofrimento.

A ciência moderna nos permite ter acesso ao Zohar e à verdade da existência de modo que os Cristãos possam aceitar os ensinamentos de Jesus e do Zohar enquanto os israelitas aceitam os ensinamentos de Rabbi Shimon Bar Yochai.

Rabbi Moses David Valle diz que quando esses dois grupos de pessoas se unirem sob a bandeira da verdade, eles transformarão o mundo além de toda a imaginação possível e que a morte cessará.

Com o Pêssach e a Páscoa chegando, compartilhemos a verdade do Zohar, e verdade de Amar ao Próximo e alcancemos Gólgota, Atika Kadishá, o lugar onde todas as preces da humanidade serão respondidas e a ressureição incluirá a ressureição de cada célula de nosso corpo de modo que a morte seja erradicada para sempre da paisagem da existência humana.

Billy Phillips

Billy Phillips é aluno do Rav e da Karen Berg desde 1989. As opiniões expressadas aqui têm como base seu próprio aprendizado e 22 anos estudando a sabedoria da Kabbalah. Apesar de ser aluno do Kabbalah Centre, as visões e artigos que apresenta aqui se relacionam com sua experiência e refletem sua visão pessoal e não são uma representação oficial do Kabbalah Centre e de seus ensinamentos.

VOCÊ TAMBÉM IRÁ GOSTAR DESSES POSTS:

5 Responses

  1. Regina Smith diz:

    Muito bom e esclarecedor o texto!

  2. Fernando T. de Camargo diz:

    Adorei o texto, muito esclarecedor e didático.
    Muito obrigado!
    Shalom! ;-)

  3. Um GRANDE EXEMPLO que talvez tenha passado despercebido pra ti é o Prologo do Zohar.
    http://www.zohar.com/prologue/donkey-driver
    Quando Rabi Elazar e Rabi Aba estão dando um passeio, eles falam sobre O Messias e Rei(Versículo 88), e dizem: “Pobre e dirigindo um Burro”. Eles não citam seu nome, porém quem lê o Zohar sabe a quem ele se refere. Yeshua(Jesus) no caso é uma imagem que foi criada para o Messias dentro do Cristianismo, mas todos nós sabemos que não se trata de um homem em especifico, e sim de uma entidade e um estado de Espirito.

  4. jayme rousso diz:

    está tudo aí!! cristalino e claro!! Obrigado Billy Phillips.Grande Trabalho!! que o Criador te proteja sempre!! pricipalmente agora ,revelando tantas verdades “inconvenientes”!!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Imagem CAPTCHA

*

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>